Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

ARTISTA TRANSFORMA LIXO DE RUA EM CASAS MÓVEIS PARA SEM ABRIGO

Mäyjo, 03.03.17

artista_1

Gregory Kloehn dedica grande parte do seu dia a remexer no lixo, como tantos outros fazem, infelizmente, todos os dias. Contudo, este este norte-americano não o faz por necessidade básica. Kloehn é artista e procura no lixo a matéria prima para construir casas móveis para os sem abrigo.

 

O artista selecciona os materiais recicláveis para as pequenas criações arquitectónicas, que custam menos de €73 (R$ 220) cada. Para tal, ele escolheu um ponto conhecido de despejo ilegal de resíduos sólidos, em Oakland, Califórnia, para trabalhar.

Depois de realizar a recolha, Kloehn projeta os abrigos com materiais disponíveis. Segundo o artista, cada estrutura é única, sendo os únicos pontos comuns o tamanho reduzido, as rodas – para que a casa possa ser empurrada com facilidade – e o telhado inclinado, para não acumular a água da chuva.

Como pode ver na nossa galeria, criatividade é o que não falta a Kloehn: desde paletes a tampas de máquinas de lavar e portas de frigoríficos, todos os materiais sem uso actual são boas matérias primas.

 

HAVAI: AUTOCARROS PÚBLICOS VELHOS VÃO SER TRANSFORMADOS EM ABRIGOS PARA SEM-ABRIGO

Mäyjo, 17.07.15

autocarros_SAPO

No último ano, Honolulu, a capital do estado norte-americano do Havai, esteve sob fogo pela forma como tratou os sem-abrigo na ilha de Oahu, nomeadamente através das forças policiais e da tentativa de relocar estas pessoas para uma ilha remota, onde estivessem longe dos turistas.

Depois de vários protestos pela forma como os sem-abrigo foram tratados, o director-executivo municipal para a habitação, Jun Yang, quer compensar estas pessoas e remodelar antigos autocarros públicos que já não circulam para que possam servir de casa para os sem-abrigo. O objectivo é que estas casas se possam movimentar pela cidade e proporcionar abrigo, banhos e algum lazer a parte da população de sem-abrigo de Honolulu, escreve o Inhabitat.

Os autocarros estão em bom estado e funcionam, simplesmente foram retirados de circulação pela quilometragem que já apresentavam. A autarquia de Honolulu concordou em ceder 70 destes veículos para que possam ser transformados em abrigos. Alguns dos autocarros vão apenas servir propósitos de higiene, oferecendo banhos, outros vão apenas ter camas e outros vão ser apenas espaços de lazer.

Artista cria casas imaginárias para sem abrigo

Mäyjo, 25.06.15

 foto-1

NOVA IORQUE: A CIDADE DOS SEM-ABRIGO

Mäyjo, 15.04.15

Nova Iorque: a cidade dos sem-abrigo

Em Janeiro de 2014, a cidade de Nova Iorque contabilizava mais de 60 mil sem-abrigo, sendo que 53.615 destes são assistidos, todas as noites, pelos abrigos municipais. Este número supera em 7% os dados do ano homólogo, quando 50.135 pessoas recorriam a estes abrigos, de acordo com a Coalition for the Homeless.

Segundo a organização, outros 5.000 sem-abrigo, entre adultos e crianças, são atendidos por abrigos privados, e outros milhares dormem nas ruas e outros espaços públicos.

Durante o ano de 2013, mais de 111 mil sem-abrigo diferentes, incluindo mais de 40 mil crianças, dormiram no sistema municipal de abrigo – o número de sem-abrigo em Nova Iorque aumentou 73% desde 2002.

Se fizermos as contas desde 1983, a diferença é abissal. Nessa ano, o sistema municipal de abrigo recebeu uma média de 12.500 pessoas por noite – hoje, o número ultrapassa os 50 mil. “O número de crianças sem-abrigo acolhidos pelos abrigos municipais chegou a níveis históricos, ultrapassando os 20 mil pela primeira vez na história”, explica a Coalition for the Homeless.

Uma das principais razões pela subida abrupta de sem-abrigo na última década é o aumento do custo de vida de Nova Iorque, sobretudo o preço das habitações. Muitos nova-iorquinos, para suportarem o peso da renda, recorrem a sites para arrendarem os seus quartos e salas a turistas e visitantes.

O novo mayor de Nova Ioque, Bill de Blasio, já garantiu a construção ou reconstrução de 200 mil novas casas nos próximos dez anos.

O plano prevê um investimento de €30 mil milhões (R$ 90,8 mil milhões), dos quais 60% serão para reabilitação e 40% para construção. Cerca de €6 mil milhões (R$ 18,1 mil milhões) serão suportados pela cidade, o restante por investidores privados.

Foto:  michaelrighi / Creative Commons

Pode uma cidade acabar com os seus sem-abrigo?

Mäyjo, 10.01.14

Pode uma cidade acabar com os seus sem-abrigo?

Em Phoenix, nos Estados Unidos, existiam cerca de 222 sem-abrigo de longa duração. Mais de metade destes eram veteranos da guerra do Vietname e viviam nas ruas há mais de um ano. Em média, estas pessoas não tinham um lar há oito ano e, para além da falta de casa própria, muitos deles estavam desempregados, consumiam álcool ou drogas e tinham doenças.

 

Foi com este cenário como pano de fundo que, na última semana, o mayor da capital do estado do Arizona anunciou que todos os sem-abrigo da cidade passaram a ter uma habitação e já não habitavam nas ruas. Para conseguir tal feito, Phoenix recorreu a €1,3 milhões de fundos locais e a €4,7 milhões de fundos federais.

 

O plano desta cidade norte-americana para retirar os sem-abrigo das ruas atraiu as atenções da Casa Branca. Na noite de Natal, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama elogiou a acção e indicou que era prova de que o mesmo pode ser feito a uma escala nacional até 2015, refere o Atlantic Cities.

 

Outras cidades norte-americanas, como Salt Lake City e Philadelphia, querem seguir o exemplo de Phoenix e retirar os sem-abrigo das ruas. Estima-se que nos Estados Unidos existam mais de 630 mil pessoas que vivem nas ruas.

 

Em Portugal, têm-se desenvolvido várias iniciativas de inclusão da comunidade sem-abrigo – ou tentativas –, ainda que nenhuma tenha ido tão longe como a de Phoenix. Ainda é muito cedo, porém, para perceber se a cidade norte-americana será bem sucedida na sua intenção de inclusão social.

 

Foto:  jamesfischer / Creative Commons